Como o Cérebro foi eletrificado.

-O que foi que eu lhe fiz senhor Chernyy Voron? Mil perdões, mil perdões mas…
– Silêncio, isso é irrelevante agora, o importante é que você está aqui, e eu estou aqui.

A sala estava escura, Tom e Dorian estavam no bar conversavam de alguma coisa e riam baixo pra não atrapalharem a conversa.

-Como foi que chegamos até aqui meu jovem?

– Eu não sei, eu não sei mesmo, sei que as docas são território seu, mas estava voltando do cinema com minha namorada e…

– Ah, tem namorada agora?

(riso timido, mas nervoso) – Tenho senhor Chernyy Voron.

– E que tal ela?

– Assim, assim, lembra a Julie Newmar.

– Não brinca?

– Juro que é!

– Você está nervoso demais rapaz venha aqui.

O homem lhe envolve os ombros com seu braço forte, ele é magro, asiático e  velho. Ele já o viu antes, em uma festa de casamento, estava de regata e viu que tinha tatuagens no braço. não sabia se era da yakuza ou da tríade, pensou que por ser asiático seria ou chinês ou japonês, era russo.

– Dorian, vê uma dose de Uisque aqui pro tovarich.

– Obrigado gospodin, mas não bebo.

(alta gargalhada marota) – Como não bebe mal’chik? Vai fazer desfeita para seu uchitel’? Ora essa! Bebe sim! HA!

– Senhor ainda não sei o que…

Chernyy Voron coloca uma Taurus 44 sobre a mesa e diz quase num sussuro.

– Você vai beber sim tovarich.

tremendo ele pega o copo de uísque,  e dá uma bicada.

– Você se lembra qual foi a última coisa que viu na internet?

– O site de receitas, acho.

– Qual receita?

– Omelete.

Dorian joga um óculos de aro grosso em cima do balcão do bar.

– Que que acontece com esses jovens de hoje?

– Quieto Dorian, pobre mal’chik, não tem opção, não tem nada de bom nos dias de hoje mesmo.

– É… é isso me-me-mesmo

– Me me me… você é um gato garoto fale direito! diga lá, gosta de quadrinhos?

– Sim senhor.

– Qual?

– Ah gosto de mangás.

– Qual?

– Ah sei lá! Naruto.

(soco forte na mesa)

– Inadmissível! Você tem certeza que namora!? Mas não vem ao caso.  E música o que tem ouvido?

– Ah curto um rock as vezes.

Até Tom sorri aliviado. Dorian interrompe.

– Mas espera ai. Que banda garoto?

– Blink182…

Vorona  eu juro que vou matar esse moleque!

– Calma Dorian, ele é novo ainda… – virou se ao garoto, não tão garoto assim – Não bebe mais? Eu lhe servi um mal drink é isso?

Mais do que depressa ele dá outra bicada.

– Você disse que voltava do cinema, foi assistir o que?

– De de de pe-pe-Pernas Pro Ar.

– Mas ela escolheu o filme?

– Fui eu – disse ele bebendo outro gole, desta vez longo.

Neste Momento uma ruiva alta com vestido negro entra no bar, maquiagem preta e unhas vermelhas em um belo salto alto, ninguém olha para ela exceto Vorona e o Jovem.

Moy krasnyy angel 

Ela sussura algo em seu ouvido, também em russo, Vorona acende nervosamente um cigarro, guarda a arma dentro de um coldre preso ao tórax e diz ao garoto.

– Venha comigo agora! Começou.

O jovem seguiu Vorona pela mansão, a bem da verdade uma casa térrea no estilo Italiano, muito bem decorada. Ambos chegaram de frente á um relógio onde vorona mecheu os ponteiros e o relógio se moveu revelando uma escada, por ela eles desceram até chegarem á uma caverna onde tinha de tudo.

– Não garoto não sou o Batman, e essa não é a bat caverna.

Cheia de armas e caixas de madeira, Vorona pegou uma Metralhadora giratória calibre 50, espadas, granadas, bestas, martelo, agulhas e cigarros.

– Pegue o que quiser aqui. Você vai precisar.

– Mas o que está acontecendo aqui?

– PEGUE LOGO NÃO DISCUTA.

Subiram as escadas até o saguão e de lá até o topo da casa.

o Barulho ja denunciava tudo.

Do alto do prédio dez capangas de Vorona atiravam com suas metralhadoras para baixo. O vento açoitava os cabelos e com ele algo vinha.

Cheiro de morte.

Olhando para baixo havia a horda. Centenas de Zumbis tentavam escalar a casa. Atrás deles, no topo da casa Krasnyy Angel usava espadas e algumas adagas para manter os zumbis afastados.

– Cara que loucura! o que é que está acontecendo aqui? o que causou isso tudo?

– Falta de cultura, os homens perderam o cérebro, perderam a alma e agora querem de quem tem. Não estudaram, não alimentaram seu cérebro, agora o cérebro deles quer comer o dos outros.

Um jato de sangue voou e esparramou aos pés do garoto que quase infarta.

– Não alimentaram o coração e agora deu tudo nisto.

Vorona começou a atirar implacavelmente, engravatados, patricinhas, racistas, atingia quem via.

– Atire garoto, não fique ai parado. Mire mais na cabeça, mas acerte o coração se conseguir.

– Mas eu não consigo!

– Vai conseguir, por isso trouxe você aqui. De hoje em diante você será meu aluno e eu te treinarei para derrotar essas criaturas sem cérebro. Mas é preciso algo antes.  – Acenou com a cabeça – Dorian.

– Pra já chefe.

E um choque atingiu o garoto deixando seu Cérebro Voltaiko.

Quando acordou, Vorona estava sem um braço, apoiado nos ombros da mulher ruiva.

– Vamos embora Tovarich, não se esqueça de proteger quem ama, lembre-se que aquilo que mais amamos não pode ser tocado, somente guardado no coração. Continue o Legado, você vai saber como.

– Sou fraco senhor. Como fazer isto?

Vorona respondeu caminhando, e já indo embora, mal dava pra ouvir o que ele falava por estar com um cigarro pendurado no canto da boca.

– Você tem os recursos, você aceita resistir aos Zumbis sem cérebro e coração?

Anúncios

1 comentário

  1. Parabéns pelo que vc ecreve.Talvez muitas pessoas não enxerguem ou simplesmente ignorem pensamentos importantantes contidos em seu blog.
    Continue a nos brindar com seus textos que são muito úteis para a reflexão.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s